Carteira KB – Julho de 2017

Os resultados de julho garantiram a sétima vitória consecutiva à Carteira KB contra o Ibovespa e um rendimento no ano de 45,4% contra apenas 9,5% do índice

carteira kb x ibovespa - julho 2017.png

O segundo semestre começou com bons resultados para a Carteira KB. Com uma valorização de 5,3% contra 4,8% no mês de julho, abrimos ainda mais a diferença em relação ao Ibovespa no acumulado do ano. Enquanto as nossas ações somam um ganho de 45,4%, o índice tem 9,5%.

Grande parte desse rendimento é resultado do bom desempenho da Qualicorp, Ferbasa e EZTec que tiveram uma valorização de 14,3%, 11,2%  e 10,3%, respectivamente.

As únicas ações que se desvalorizaram no período foram Unipar, com perda de 8,7% de seu valor, e CardSystem, com 0,2%.

carteira kb detalhada - julho 2017.png

O caso Unipar

O mês de julho foi agitado para a empresa fabricante de soda, cloro e derivados. Vimos a tentativa frustrada de OPA para o cancelamento de registro de companhia aberta e o anúncio de distribuição extraordinária de dividendos.

O resultado da Carteira KB foi diretamente impactado por esses eventos. O frisson causado pelas notícias da OPA, a união dos acionistas minoritários contra a proposta do controlador e a exposição dos principais indicadores da companhia na mídia destravaram o preço das ações, levando a uma forte valorização.

Ao mesmo tempo, as ações ficaram “ex” – sem direito a dividendos –, mas o pagamento somente será efetuado em agosto e dezembro. Portanto, o valor investido em Unipar em nossa carteira diminuiu, mas, se considerarmos os proventos que adquirimos direito a receber no mês, tivemos um ganho de quase 50%! 

O rendimento dos dividendos da Unipar serão contabilizados na Carteira KB nos meses em que forem pagos pela companhia.

 Veja como está a atual Carteira KB:

carteira kb - julho 2017.png

 Você quer saber como foram os desempenhos nos meses anteriores?

 Acesse os balanços abaixo:

Carteira KB – Janeiro de 2017

Carteira KB – Fevereiro de 2017

Carteira KB – Março de 2017 

Carteira KB – Abril de 2017

Carteira KB – Maio de 2017

Carteira KB – Junho de 2017

Em cartaz: Unipar e a OPA frustrada

sala de cinema Unipar

Parecia enredo de filme a saga da Unipar Carbocloro para fechar o capital. Faltando poucas horas para o então aguardado leilão da OPA (Oferta Pública de Aquisição), a fabricante de soda, cloro e derivados divulgou que vendeu sua fatia de 17,8% no capital da Tecsis Tecnologia e Sistema Avançado.

O anúncio da Unipar – feito durante a madrugada – fez com que a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) suspendesse a OPA “tendo em vista as condições extraordinárias em que se encontra a oferta e as incertezas que a realização do leilão nesta data traria às partes envolvidas na operação”.  A Vila Velha Participações, controladora da Unipar, ainda deverá encaminhar à CVM os detalhes da transação envolvendo a Tecsis.

O edital da oferta determina que durante a OPA não pode haver mudanças nos negócios da empresa que represente 5% ou mais do seu lucro do ano passado. No entanto, a venda da Tecsis teria superado esse montante de acordo com a Vila Velha. Sendo assim, a Comissão de Valores Mobiliários suspendeu a oferta até que a fabricante de soda encaminhe todas as respostas sobre o impacto que essa transação provocou. O prazo encerra-se nesta quarta-feira (2). 

Já nesta segunda-feira (31), a controladora da Unipar encaminhou um documento à CVM sobre sua intenção de revogar a OPA. 

Essa não é a primeira vez que a Unipar Carbocloro tenta fechar o capital. Em 2015, a oferta da companhia foi de R$ 4,40 por ação preferencial classe B (UNIP6) e no ano seguinte de R$ 7,50 pelo mesmo papel. Desta vez, a companhia teve a “coragem” de oferecer R$ 2,50. Ficou com vergonha?

Pois é, nós também!

Não à toa, nos habilitamos para o leilão e oferecemos R$ 25 por UNIP6 para vendê-las.

Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos!

Vale a pena comprar ações no mercado fracionário?

pequeno investidor

A ideia de escrever esse texto surgiu a partir da dúvida de um dos nossos leitores. Ele nos perguntou: “É melhor comprar ações todo mês ou juntar uma quantia durante um período e aportar?”. A pergunta que – aparentemente – parece simples, não é!

A maioria das ações listadas na Bovespa é negociada em múltiplos do lote padrão – normalmente composto de 100 ações. Assim, apesar de uma ação da Smiles, por exemplo, estar cotada hoje (22) em R$ 61,22, são necessários R$ 6.122,00 para comprar um lote padrão. Para pequenos investidores esse valor pode ser uma barreira importante à entrada ou à diversificação de seus investimentos.

No entanto, há a possibilidade de adquirir os papéis mesmo sem ter o montante para comprar o lote. Basta recorrer ao mercado fracionário, onde as ações são negociadas em quantidades menores em relação ao lote padrão.

Ao decidir comprar ações no mercado fracionário, o investidor terá algumas vantagens:

Diversificação

Suponha que o investidor tenha R$ 12 mil e pretenda dividir igualmente em quatro ações para diminuir seu risco. Se tivesse apenas o mercado de lotes padrão à disposição, os papéis da companhia de milhagem não seriam uma boa opção para este investidor.

Ficaria este investidor sem poder entrar na Bolsa? Não! O mercado fracionário de ações vem para corrigir esse problema. Nele, é possível negociar até mesmo uma única ação de cada vez.

Em nosso exemplo, o investidor poderia adquirir R$ 3 mil em Smiles comprando 49 ações.

Pequenas compras mensais

Outra situação em que o fracionário é útil ocorre quando o investidor pretende fazer pequenas compras mensais. Digamos que o fim do mês chegou, todas as contas foram pagas e você conseguiu juntar R$ 500 para investir em ações.

Sua intenção é comprar ativos da Grazziotin, cotadas nesta quinta-feira a R$ 23,80. Neste ritmo, seriam necessários cinco meses até conseguir os recursos para comprar um lote padrão por R$ 2.380. Com o mercado fracionário, ele poderia, por exemplo, optar por comprar apenas 21 ações da Grazziotin.

Mas… nem tudo são flores! Quando pensamos em vantagens, logo precisamos lembrar que lá estão elas: as desvantagens.

Mais negócio = mais corretagem

Utilizar regularmente o mercado fracionário não é a melhor estratégia para todos. Quem negocia nesse mercado tende a fazer maior quantidade de negócios e, assim, gastar mais com corretagem. Mesmo que algumas corretoras cobrem menos para operações no mercado fracionário em relação ao mercado de lotes padrão, o desconto não chega a 50%.

Vamos comparar as alternativas:

  • Compra mensal de R$ 500 em ações da Grazziotin até atingir um lote padrão de 100 ações
  • Compra única no quinto mês do lote padrão

Para fins de simplificação, vamos considerar um  preço fixo nesses cinco meses e utilizar a corretora Rico, que cobra R$ 8,90 por ordem no mercado fracionário e R$ 16,20 no mercado tradicional.

Na primeira opção, o investidor teria 100 ações da Grazziotin ao final do quinto mês, tendo gasto 5 x R$ 8,90 = R$ 44,50 com corretagem. Na alternativa, o investidor gastaria apenas R$ 16,20 ao fim do quinto mês. Quase um terço do custo!

Maior spread entre compra e venda no fracionário

As ações escolhidas para exemplificar não foram à toa. Enquanto as ações da Smiles participam do Ibovespa e negociam em torno de R$ 50 milhões por dia, as da Grazziotin não chegam a R$ 500 mil diariamente.

Quanto maior o volume de negócios, menos tende a ser o spread (a diferença entre o preço de compra e o preço de venda). Ou seja, menor é o custo de transação para efetuar compras e vendas no mercado. No mercado fracionário não é diferente: as ações da Smiles possuem maior volume de negócios e menores spreads que a Grazziotin.

Vamos aos exemplos com dados atuais:

No mercado fracionário de Smiles, era possível comprar SMLE3F (código para a ação ordinária negociada da Smiles no mercado fracionário) a R$ 61,30, enquanto que, na negociação de lote padrão, o melhor preço possível era R$ 61,24 – uma pequena diferença de apenas 0,1%.

No caso da Grazziotin, a CGRA4F era vendida a R$ 24,54. Ao passo que no mercado padrão poderíamos comprar CGRA4 pagando R$ 23,90, o que resulta numa diferença de preço de 2,7%. É muito mais caro comprar Grazziotin no fracionário!

Assim, quem opta pela compra no fracionário deve se atentar para a liquidez da ação. Ações muito líquidas (com alto volume de negócios) tendem a ter um preço muito próximo ao mercado de lote padrão. Já para as ações ilíquidas, em geral, paga-se caro demais. É necessário analisar caso a caso antes de decidir.

 

Seguro catástrofe pode proteger seus investimentos?

cofre.jpg

A maior alta do dólar dos últimos 18 anos – registrada na semana passada – entrou para a história. A moeda não tinha uma alta tão expressiva desde a maxidesvalorização promovida por Gustavo Franco, então presidente do Banco Central, no milênio passado. O Ibovespa acompanhou o ritmo do mercado e sofreu a maior queda diária desde o ápice da crise de 2008, com redução de quase 9%. Algumas ações, como Cemig (CMIG4) chegaram a cair quase 50% em alguns momentos do dia.

A variação do mercado por conta da instabilidade política – ocorrida após a delação premiada dos dirigentes da JBS sobre o suposto pagamento de propina a políticos de diferentes partidos, entre eles, o presidente Michel Temer – fez com que um instrumento financeiro ganhasse destaque: as tais PUTs ou opções de venda.

Apelidadas de seguro catástrofe, as PUTs sobem de preço quando o ativo a que estão atreladas caem. Em dias de grandes quedas na Bovespa, é comum ver algumas delas valorizando 200%, 500% ou até 1000%. Por causa disso, é normal lermos ou ouvirmos conselhos sobre comprar as opções de venda para servir como uma espécie de seguro contra perdas na carteira de ações.

A questão é: o ganho extraordinário das PUTs compensa a desvalorização da carteira de ações? Vale a pena comprar esse tal seguro catástrofe?

Depende!

Vamos ao exemplo com dados reais de hoje (24), seis dias após o histórico 18 de maio.

A ação preferencial da Petrobrás – PETR4 – é negociada a 13,79. A opção de venda deste ativo com vencimento em 19 de junho deste ano e preço de exercício de R$ 12 custa R$ 0,17. 

Essa PUT só tem valor no vencimento quando a ação cai abaixo de R$ 12. Portanto, vamos simular uma queda de 20% no preço de PETR4, ou seja, a ação da Petrobrás valerá R$ 11,03. Nesse caso, a opção de venda terá valor justo de R$ 0,97 no dia 19 de junho, pois a PUT lhe dará direito a vender por R$ 12 um papel que custa R$ 11,03.

Pois bem. Nesse caso, você ganhou R$ 0,97 com a opção e perdeu R$ 2,76 com a desvalorização da ação. Seu ganho não anulou sua perda. 

Para se proteger completamente da queda de 20% da ação, você teria que comprar 2,76 opções de venda com preço de exercício de R$ 12. Mas 2,76 PUTs custariam R$ 0,48!

Ou seja, para se segurar contra uma perda de 20% utilizando as famosas PUTs, o investidor precisa sacrificar 3,5% todo mês, ou quase metade do valor de sua carteira em um ano! É como se você pagasse mais de R$ 20 mil por ano para o seguro do seu automóvel de R$ 50mil!

Esse mesmo exemplo pode ser aplicado para ações que possuem opções de venda negociadas na Bovespa, como Vale do Rio Doce e Itaú Unibanco, com resultados semelhantes.

O seguro catástrofe de fato existe, mas seu preço é alto.  Cabe a cada investidor decidir se deve ou não contratá-lo

O seguro ETF IVVB11

ivvb-11-etf

Em tempo, uma alternativa válida para você se proteger contra perdas na carteira de ações é a ETF IVVB11.

IVVB11 é um fundo de índice, negociado na Bolsa de Valores, que busca retornos de investimentos que correspondam à performance, antes das taxas e despesas, do S&P500 (índice Standard & Poor’s 500).

Na prática, quem compra esta ETF (Exchange Traded Fund) adquire o índice com as 500 principais ações americanas em dólares.

Como mostramos no artigo “Mais retorno e menos risco na carteira: IVVB11”, a correlação entre o IVVB11 e o Ibovespa é negativa. Em geral, quando a bolsa brasileira sobe, o fundo cai e vice-versa. No dia 18 de maio, por sinal, essa regra funcionou perfeitamente: o índice Ibovespa desabou 8,8%, enquanto que a ETF IVVB11 disparou 8,6%.