Smiles tem novo código no mercado

As ações ordinárias da Smiles negociadas na B3 (Brasil, Bolsa e Balcão) com o código SMLE3 foram substituídas nesta segunda-feira (23) pelos ativos da Smiles Fidelidade e passam a ser identificadas como SMLS3.

A incorporação da Smiles pela Smiles Fidelidade foi anunciada em julho. No mês seguinte, a companhia comunicou a aquisição da subsidiária Smiles Viagens e Turismo – empresa não operacional que atuará nesses segmentos. No entanto, o início das atividades da nova firma depende de licenças e autorizações do Ministério do Turismo.

Smiles gráficoO KB acompanhou o primeiro dia de negociações da SMLS3 para ver como o mercado reagiria a essas mudanças. O pregão foi de volatilidade numa segunda-feira relativamente estável na Bolsa. As ações chegaram a recuar 3% no começo da tarde – provavelmente, consequência da surpresa de parte dos investidores com a mudança. A partir disso, a SMLS3 se recuperou rapidamente até atingir a máxima de R$ 95,06 – alta de 2,4%. Por fim, a ação fechou sua estreia com queda de 1,96%, cotada a R$ 91.

As ações da Smiles – agora Smiles Fidelidade – estão na Carteira KB desde o início do ano. Até agora, elas mais do que dobraram de preço e tiveram uma valorização de 107,5%. A empresa segue com uma das maiores margens de lucro da bolsa, ótima pagadora de dividendos e opera sem dívidas.

Se você tem Smiles, fique atento! Os acionistas deverão atualizar o código em seus homebrokers para visualizar a posição detida em Smiles Fidelidade.

Anúncios

Carteira KB – Maio de 2017

Pelo quinto mês consecutivo, ficamos à frente do Ibovespa e garantimos um rendimento no ano de 37,4% contra apenas 4,1% do índice

carteira kb x ibovespa - maio 2017.png

O mês de maio foi de turbulência no cenário político e, consequentemente, na economia. Após as denúncias dos executivos da JBS de que o presidente Michel Temer teria dado aval para a compra do silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, o valor de diversas ações despencou. Não à toa, o Ibovespa teve um rendimento negativo de 4,12%, enquanto a Carteira KB atingiu uma valorização de 3,81%, considerando dividendos.

A diferença de resultados é ainda maior se considerarmos o acumulado do ano: os nossos ativos somam um ganho de 37,4% – quase dez vezes maior que o Ibovespa.

O grande destaque do mês foi a Unipar Carbocloro – empresa do setor químico – que registrou uma valorização de 30,1%, considerando os dividendos pagos.  Na sequência, as ações que tiveram o maior rendimento foram Qualicorp, Grendene e Grazziotin, com 26,2%, 8,0% e 5,9%, respectivamente.

Alguns ativos tiveram queda por conta do cenário nebuloso. Entre eles, a empresa do setor de incorporação, venda e construção de imóveis, EZTEC, com perda de 12,5% de seu valor, seguida de Smiles – com 8,7% – e CSU – com 6,7%.

carteira kb detalhada - maio 2017.png

Dividendos

dividendgrowth

Os investidores que aguardavam a enxurrada de dividendos prevista para esse mês podem comemorar. As empresas Taesa, Unipar, Qualicorp e CSU pagaram seus acionistas, conforme esperado. Sendo que a Grendene já distribuiu a segunda parcela de seus resultados. Os proventos que recebemos foram aplicados nas próprias companhias.  

Considerando os dividendos reinvestidos, esta é a atual Carteira KB:

carteira kb - maio 2017.png

Você pode conferir os fechamentos mensais anteriores abaixo:

Carteira KB – Janeiro de 2017

Carteira KB – Fevereiro de 2017

Carteira KB – Março de 2017 

Carteira KB – Abril de 2017

Carteira KB – Abril de 2017

É tetra! Pela quarta vez consecutiva, ficamos à frente do Ibovespa. No ano, a Carteira KB rende 31,15% contra apenas 8,59% do índice

Carteira KB Abril - publicar.jpg

Em abril, as ações da Carteira KB  valorizaram-se 5,16% e o índice Ibovespa apresentou rendimento de 0,64%. No acumulado do ano, os nossos ativos tiveram um ganho de 31,15% e o índice de 8,59%.

As ações da Smiles, Grendene e Qualicorp foram os grandes destaques no mês. Elas registraram rendimentos de 15,5%, 10,6% e 9,4%, respectivamente, considerando a valorização da ação e o reinvestimento dos dividendos recebidos.

A CSU, que no ano acumula alta de quase 100%, teve uma ligeira queda e perdeu 1,8% de seu valor. No balanço de março, o desempenho da prestadora de serviços de alta tecnologia nos levou a fazer um balanceamento da Carteira KB  para diminuir o impacto dela no resultado geral.

Carteira KB Abril - detalhe

Começou a safra dos dividendos

dividendos 7.jpg

A tão aguardada temporada dos dividendos começou e os acionistas podem comemorar. Tradicionalmente, as empresas que costumam distribuir seus resultados uma vez por ano o fazem neste segundo trimestre. 

Se você tem ativos da Smiles, o motivo para sorrir é ainda maior. Até agora, essa é a empresa da Carteira KB que pagou o valor mais alto de dividendos: R$4,1868 por ação em março, o que significa um dividend yield de quase 7%.

A Itaúsa optou por distribuir os lucros em duas parcelas em fevereiro, sendo uma de R$0,098 por ação, referentes a juros sobre capital próprio, e outra de R$0,015 por papel, pagos a título de dividendos. A Grendene pagou R$0,4293 por ação em abril. Já a Comgás distribuiu, em março, R$3,3829 aos seus acionistas.

Em maio, a previsão é de enxurrada de dividendos. Teremos as distribuições de Unipar, CSU, Taesa,  Qualicorp e Grendene novamente.

O pagamento dos dividendos pelas empresas está previsto na Lei de Sociedade de Ações. Anualmente, as companhias devem distribuir – no mínimo – 25% do lucro líquido ajustado. Os investidores podem escolher se reinvestem esse dinheiro ou gastam os recursos.

A Carteira KB adota a estratégia de reinvestimento dos dividendos recebidos na própria empresa. A longo prazo, essa opção apresenta resultados consistentes.

Neste mês, reinvestimos nas próprias companhias os recursos recebidos de Smiles, Itaúsa e Grendene. Em março, já havíamos reaplicado os dividendos da Comgás.

Considerando os dividendos reinvestidos, esta é a atual Carteira KB:

Carteira KB Abril - pizza

Você pode conferir os fechamentos mensais anteriores abaixo:

Carteira KB – Janeiro de 2017

Carteira KB – Fevereiro de 2017

Carteira KB – Março de 2017

 

Por que reinvestir dividendos?

Porquinho 2.jpg

Previsto na Lei de Sociedade de Ações, toda empresa deve distribuir anualmente no mínimo 25% do lucro líquido ajustado. A exceção fica por conta dos casos em que o estatuto da firma for omisso e a assembleia-geral decidir alterar esse valor.

O lucro líquido ajustado é calculado como o resultado do exercício menos a reserva legal (5% do lucro líquido) menos a quantia destinada para reserva de contingência mais a reversão dessa reserva de exercícios anteriores. Como, na prática, raramente é constituída ou revertida a reserva de contingência, no ano t calculamos:

reinvestindo dividendos - formula 1

A companhia deve destinar anualmente para pagamentos de dividendos ao menos:

reinvestindo dividendos - formula 2

Apesar do mínimo obrigatório, nada impede que empresas optem por distribuição mais robusta dos resultados da companhia. Em geral, companhias com fluxo de caixa mais previsível pagam maiores quantias. A Taesa S. A. – uma das empresas da Carteira KB –, por exemplo, distribuiu nos últimos 11 anos a maioria de seus lucros:

reinvestindo dividendos - taesa.png

A estratégia vencedora

Uma vez recebidos os dividendos, o investidor deve escolher entre reinvestir ou gastar os recursos. Se optar pela primeira opção, deve ainda decidir para onde destinar o dinheiro recebido – se na própria companhia ou em outra opção disponível.

O reinvestimento de dividendos na própria empresa apresenta resultados consistentes no longo prazo. Companhias que tradicionalmente pagam dividendos fornecem recursos a seus acionistas para que estes aumentem o número de ações detidas.

Veja os exemplos de duas firmas pertencentes à Carteira KB:

Itaúsa

reinvestindo dividendos - itaúsa.png

Grendene

reinvestindo dividendos - grendene.png

Como vemos acima, em ambas as companhias os resultados para o investidor aumentaram em mais de 50% quando os dividendos foram reinvestidos na própria empresa.

A Carteira KB adota a estratégia de reinvestimento dos dividendos recebidos na própria empresa.

Carteira KB – Fevereiro de 2017

O carnaval rendeu: Carteira KB dobra o retorno do Ibovespa no ano

carteira-kb-x-ibov-fev-17

Em fevereiro, mais uma vez, a Carteira KB venceu com tranquilidade o Ibovespa. Registramos valorização de 10,99% contra 3,38% do índice no mês.

No acumulado do ano, a Carteira KB rendeu 22,06%, enquanto o Ibovespa obteve pouco menos do que a metade: 10,69%.

Novamente, o grande destaque da carteira foi a CSU Cardsystem, com valorização de mais 35,2%. Nestes primeiros dois meses do ano, a ação da empresa – CARD3 – mais do que dobrou de preço!

Os ativos da Itaúsa e Smiles também tiveram valorizações expressivas de dois dígitos. A ação da Porto Seguro, que havia se desvalorizado em janeiro, se recuperou bem e teve aumento de 10%. Nenhuma ação da Carteira KB registrou queda em fevereiro.

Entre as principais ações da bolsa brasileira, o destaque foi a valorização do papel de maior peso no índice – ITUB4. As ações do Itaú valorizaram-se 7,49%.

Carteira detalhada - fev-17.png

Substituição

substituicao-qualicorp-porto-seguro

Para o próximo mês, faremos uma substituição: sai Porto Seguro (PSSA3) e entra Qualicorp (QUAL3).

Como mostramos neste artigo, a meta da Porto Seguro é aumentar por volta de 9% o lucro líquido em 2017. Entretanto, como apontaram o presidente e os diretores, será preciso aumentar consideravelmente as margens operacionais para compensar a queda do lucro financeiro, que ocorrerá por conta da redução da Selic.

Diante da difícil meta, optamos por vender a participação na Porto e comprar ações de uma das líderes no Brasil na administração, gestão e vendas de planos de saúde coletivos, empresariais e coletivos por adesão – a Qualicorp.

Comparando os números das empresas, a única vantagem evidente da Porto Seguro é o menor preço sobre lucro, o que indica ação mais barata. No entanto, o P/L mais alto da firma de saúde é compensado pelo maior crescimento das receitas e lucros – em apenas três anos, sua receita líquida dobrou.

Nos outros quesitos avaliados para a composição da Carteira KB, a Qualicorp supera a concorrente: maior pagamento de dividendos e maiores lucro sobre o patrimônio líquido e margem líquida.

Com a substituição deste mês, esta é a atual Carteira KB:

Carteira KB - fev-17.png

Você pode conferir o fechamento do mês de janeiro aqui.

Porto Seguro e a meta do bilhão

Queremos, não prometemos…

1-bilhao

No dia 6 de fevereiro, a Porto Seguro divulgou os resultados do último trimestre de 2016. Na mesma semana, foi a vez da teleconferência em que os diretores explicaram os resultados da companhia.  Até aí, procedimento padrão.

O que não sabíamos é que, a partir do dia 10, as novidades começariam: numa reunião em São Paulo para analistas de mercado e público em geral, os diretores apresentaram pessoalmente os números da empresa e responderam dúvidas.

Neste mesmo dia, a Agência Estado – Broadcast veiculou notícia que, segundo a Bovespa, “consta, entre outras informações, que a Porto Seguro espera que o lucro cresça em 2017 e alcance R$ 1 bilhão”.

Vale lembrar que a Porto fechou o ano passado com lucro líquido de R$ 915 milhões. Portanto, a estimativa significaria crescimento da ordem de 9,3%.

A bolsa brasileira, por sua vez, questionou a empresa, pois não identificou tais informações nos documentos enviados pela companhia.

Nesta segunda-feira (13), veio a resposta à Bovespa: “muito embora trabalhe para alcançar resultados próximos ao sugerido pelo referido portal de notícias, não há elementos, nesta data, que permitam assegurar que esses resultados serão ou não atingidos, ou mesmo para avaliar a possibilidade ou prazo para atingi-los”.

Assim, a Porto Seguro confirmou a intenção, mas não se comprometeu com a meta estabelecida.

Nos áudios da reunião disponibilizados pela empresa, podemos identificar duas passagens em que a meta é citada:

  • Fabio Lucheti – Presidente: (…) “nossa expectativa é que tenha sim uma margem de compensação entre o operacional e o financeiro. E a gente trabalha com uma expectativa de ter um lucro um pouco maior esse ano. Algo em torno de 10%”. (34 minutos)
  • Marcelo Picanço – Diretor: (…) “sobre o earnings, o orçamento, sim. Em torno de, a gente não faz projeções oficiais. A gente está buscando aqui e não é uma tarefa fácil, mas buscando ter uma expansão de earnings em torno de 10%. Um pouco mais, um pouco menos”. (49 minutos)

Em resumo, a meta do um bilhão de lucro líquido existe, mas não há certezas sobre quando e se esses objetivos serão atingidos.

Queda do lucro financeiro

grafico-de-queda

Quando questionado sobre como a queda da Selic impactaria seu resultado financeiro – a Porto Seguro possui R$ 9,8 bilhões em disponibilidades –, Marcelo informou:

(…) “A gente estima aqui uma queda talvez em relação ao realizado nesse ano para o ano que vem de uns 140 milhões de reais antes dos impostos, se você tirar o que é Previdência que acaba sendo transferido para o cliente. Então, isso é estimando por queda de Selic e mesmo já considerando uma certa performance”. (31 minutos)

Previsão de dividendos a pagar

dividendos-4

A empresa também foi questionada sobre a previsão de payout – proporção do lucro líquido distribuída aos acionistas através de dividendos e juros sobre capital próprio. “Para os dividendos que serão pagos agora, em abril, não há nenhuma perspectiva de aumento. Vai ser naquela linha de 35% de payout que nós vínhamos fazendo”, respondeu Marcelo. (54 minutos)

Concluindo – segundo as informações fornecidas pela diretoria da Porto Seguro –, é esperada uma forte queda no lucro financeiro, mas que deve ser mais do que compensada pelo aumento de margens no setor operacional. Os dividendos deste ano devem se manter no mesmo patamar do ano passado. Veremos!

A Porto Seguro é um dos nosso ativos. Veja aqui as ações que compõem a Carteira KB.

 

Carteira KB – Janeiro de 2017

Começamos com o pé direito e superamos o Ibovespa por 2,6%

carteira-kb-x-ibov-jan-17

A Carteira KB superou com folga o Ibovespa ao registrar valorização de 9,98% contra 7,38% do índice. Quatro ações se destacaram e nos ajudaram a fechar bem o primeiro mês: CSU Cardsystem, Itaúsa, EZTEC e Smiles. O primeiro ativo, por sinal, nos surpreendeu por ter uma alta de quase 50% em um único mês.

Os piores desempenhos da Carteira KB foram da Porto Seguro e da Ser Educacional, únicas que se desvalorizaram neste período.

Para o Ibovespa, o triunfo ficou por conta das ações preferenciais da Vale que tiveram alta de 31%. Ações ligadas a commodities em geral também apresentaram fortes altas.

carteira-detalhada-jan-17

Substituição

substituicao-ser-comgas

Resolvemos fazer uma substituição para o próximo mês: sai Ser Educacional (SEER3) e entra Comgás (CGAS5).

Utilizamos alguns critérios para fazer essa mudança e escolher a maior distribuidora de gás natural canalizado do Brasil para fazer parte da Carteira KB. Ao comparar os números das empresas, percebemos que a única vantagem clara da Ser é a dívida mais baixa em relação ao patrimônio líquido. No entanto, mesmo com uma dívida maior do que seu patrimônio, a Comgás tem em caixa quase a metade desse valor. Outro fator importante é a trajetória de queda da dívida líquida da nossa nova ação.

Considerando os outros indicadores utilizados para a formação da Carteira KB, a Comgás vence a adversária: menor preço/lucro, maior pagamento de dividendos, maior lucro sobre o patrimônio líquido e margem líquida apenas ligeiramente menor.

Com a substituição deste mês, esta é a atual Carteira KB:

Carteira KB - jan-17.png