O CDB Grendene e seus calçados

Grendene

“Somos um grande CDB com um negócio de calçados acoplado”.  O diretor financeiro e de relações com investidores da Grendene, Francisco Schmitt, não poderia ter sido mais direto e objetivo ao definir o modelo de negócios da empresa. A frase foi suficiente para que os acionistas e investidores entendessem o que esperar para os próximos anos de uma das maiores produtoras mundiais de calçados.

Os desafios e metas da Grendene foram apresentados em uma reunião realizada na semana passada. Schmitt foi questionado sobre vários assuntos. No entanto, a pergunta mais comum feita pelos acionistas e investidores foi: quando será distribuído esse caixa que só faz crescer e já atinge R$1 ,5 bilhão?

Sem titubear, o diretor financeiro da Grendene respondeu que a atual política de dividendos deve ser mantida – o que significa distribuir todo o lucro líquido, descontadas a reserva de incentivos ficais e reserva legal. Schmitt ainda acrescentou que, com a recuperação da economia, mais recursos do caixa serão utilizados na operação da empresa.

Aumento do petróleo não nos atinge

 Petróleo

Enganou-se quem achou que os calçados da Grendene – como Melissa, Ipanema ou Rider – dependem do petróleo. Que nada!

Segundo Schmitt, o gás natural e o cloro compõem o PVC utilizado nos produtos. Assim, os custos da empresa não dependem do preço volátil do ouro negro.

O diretor ainda afirmou que, com o aumento da produção de gás a partir do xisto nos Estados Unidos, a tendência é que os preços fiquem comportados nos próximos anos.

Dólar e seus efeitos na Grendene

dolar 

A empresa sinalizou que faz apenas hedge cambial – proteção contra variações do dólar – para garantir a receita. Até 90 dias antes do embarque dos calçados, o preço em real é travado de maneira a não depender do câmbio.

Quanto aos custos, Schmitt deu uma resposta curiosa para o fato de a Grendene não fazer hedge: quando o dólar sobe, o aumento de custos é compensado pelo menor preço do gás. E, em cenários de bonança, quando a moeda americana cai, o valor da matéria-prima costuma subir. Assim, não há, segundo o diretor financeiro, necessidade de proteção cambial para os custos da empresa.

Por fim, respondendo a uma pergunta sobre o impacto do dólar na companhia, Schmitt afirmou que o resultado é dúbio: períodos de alta do dólar, que significam maior valor exportado, geralmente, vem acompanhados de recessão ou menor crescimento interno, o que diminui a demanda no Brasil pelos produtos da Grendene, disse.

 Market Share 

Ipanema

A Grendene detém 25% de participação no mercado de consumo de massa de calçados, enquanto que a Alpargatas – dona da marca Havaianas – possui entre 40% e 45%, segundo Schmitt.

A diferença da Grendene em relação a sua concorrente parece grande, certo? Depende! Quando consideramos que a Ipanema estreou no começo da década de 2000 e a Havaianas é uma marca de 1962 percebemos que a empresa conquistou uma boa fatia do mercado.

A boa atuação da Grendene e o crescimento da marca em pouco tempo fez com que os acionistas e investidores questionassem Schmitt sobre a previsão de aumento de market share – nacional e internacional – da fabricante de calçados. “A gente cresce devagar com relacionamento forte”, disse o diretor, que usou a Crocs como exemplo de empresa que expandiu fortemente e hoje vê suas lojas sendo fechadas uma a uma com a queda de demanda.

 Metas da companhia

LL Grendene

 A Grendene traçou uma meta de crescimento do lucro líquido de 12% a 15% ao ano para o decênio 2008-2018.

O gráfico acima mostra que em oito anos o resultado da companhia aumentou 165%, se mantendo dentro do guidance. Segundo Schmitt, esse número é fruto do aumento de produtividade e margens da empresa.

A Grendene é uma das ações da Carteira KB. Acompanhe aqui nossos resultados e dê sua opinião!

Quer saber mais sobre CDB? Veja o texto “Qual rende mais? LCI ou CDB?

 

Anúncios

12 comentários sobre “O CDB Grendene e seus calçados

    • KB Investimentos 16 de março de 2017 / 21:42

      Rodolfo,

      Bastante conservadora. Talvez mais do que eu gostaria, mas é excelente sim.

      Abs.

      Curtir

  1. Investidor Furioso 15 de março de 2017 / 19:19

    Eu ficaria mais feliz se a empresa estivesse conseguindo gerar crescimento de resultado operacional do que depender de resultado financeiro. Se for pra investir em CDB aplico no meu banco!

    Curtir

    • KB Investimentos 16 de março de 2017 / 01:21

      Sim. Essa é a principal crítica que a companhia sempre escuta.
      Que são excessivamente conservadores com o caixa e que deveriam buscar expandir o lucro operacional mais rapidamente.

      Abs.

      Curtir

      • Investidor Furioso 16 de março de 2017 / 19:45

        Sim, mas mesmo assim é minha maior posição, porque acredito na qualidade da marca, o balanço é bom e a ação está num bom preço para se comprar conservadoramente. Um dia sentei num banco num shopping na frende de uma loja MELISSA e reparei que TODA mulher que passava por ali parava para dar uma olhada nos calçados.

        Curtir

        • KB Investimentos 16 de março de 2017 / 21:45

          Eu também tenho posição nela. As marcas dela são fortes. Mesmo nessa recessão estão conseguindo aumentar os lucros.

          Abs.

          Curtir

  2. mvelosoqueiroz 15 de março de 2017 / 01:01

    Perfeito! No ano passado, pelo que vi do resultado, foi um par de sandálias para cada quatro brasileiros; em um ano de crise e 12 milhões de desempregados.

    Boa empresa no Brasil é sinônimo de empresa que lucra na crise. O trabalhador pode reclamar da crise, a companhia, não. Nos últimos quarenta anos, salvo engano, passamos por dois períodos de bonança, ou seja, vivemos muito mais em crise do que fora dela.

    Abraço!

    http://antipoda.com.br/

    Curtir

    • KB Investimentos 15 de março de 2017 / 14:07

      A Grendene produziu 164 milhões de pares de calçados em 2016. Quase um por pessoa no Brasil!
      Sem dúvida, os resultados mostraram a força da empresa em um ano de crise.

      Abraço.

      Curtir

      • mvelosoqueiroz 15 de março de 2017 / 22:52

        Eu me expressei mal, quis dizer um par para cada quatro brasileiros só no quarto trimestre, referente ao último resultado.

        Valeu!

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s