Seguro catástrofe pode proteger seus investimentos?

cofre.jpg

A maior alta do dólar dos últimos 18 anos – registrada na semana passada – entrou para a história. A moeda não tinha uma alta tão expressiva desde a maxidesvalorização promovida por Gustavo Franco, então presidente do Banco Central, no milênio passado. O Ibovespa acompanhou o ritmo do mercado e sofreu a maior queda diária desde o ápice da crise de 2008, com redução de quase 9%. Algumas ações, como Cemig (CMIG4) chegaram a cair quase 50% em alguns momentos do dia.

A variação do mercado por conta da instabilidade política – ocorrida após a delação premiada dos dirigentes da JBS sobre o suposto pagamento de propina a políticos de diferentes partidos, entre eles, o presidente Michel Temer – fez com que um instrumento financeiro ganhasse destaque: as tais PUTs ou opções de venda.

Apelidadas de seguro catástrofe, as PUTs sobem de preço quando o ativo a que estão atreladas caem. Em dias de grandes quedas na Bovespa, é comum ver algumas delas valorizando 200%, 500% ou até 1000%. Por causa disso, é normal lermos ou ouvirmos conselhos sobre comprar as opções de venda para servir como uma espécie de seguro contra perdas na carteira de ações.

A questão é: o ganho extraordinário das PUTs compensa a desvalorização da carteira de ações? Vale a pena comprar esse tal seguro catástrofe?

Depende!

Vamos ao exemplo com dados reais de hoje (24), seis dias após o histórico 18 de maio.

A ação preferencial da Petrobrás – PETR4 – é negociada a 13,79. A opção de venda deste ativo com vencimento em 19 de junho deste ano e preço de exercício de R$ 12 custa R$ 0,17. 

Essa PUT só tem valor no vencimento quando a ação cai abaixo de R$ 12. Portanto, vamos simular uma queda de 20% no preço de PETR4, ou seja, a ação da Petrobrás valerá R$ 11,03. Nesse caso, a opção de venda terá valor justo de R$ 0,97 no dia 19 de junho, pois a PUT lhe dará direito a vender por R$ 12 um papel que custa R$ 11,03.

Pois bem. Nesse caso, você ganhou R$ 0,97 com a opção e perdeu R$ 2,76 com a desvalorização da ação. Seu ganho não anulou sua perda. 

Para se proteger completamente da queda de 20% da ação, você teria que comprar 2,76 opções de venda com preço de exercício de R$ 12. Mas 2,76 PUTs custariam R$ 0,48!

Ou seja, para se segurar contra uma perda de 20% utilizando as famosas PUTs, o investidor precisa sacrificar 3,5% todo mês, ou quase metade do valor de sua carteira em um ano! É como se você pagasse mais de R$ 20 mil por ano para o seguro do seu automóvel de R$ 50mil!

Esse mesmo exemplo pode ser aplicado para ações que possuem opções de venda negociadas na Bovespa, como Vale do Rio Doce e Itaú Unibanco, com resultados semelhantes.

O seguro catástrofe de fato existe, mas seu preço é alto.  Cabe a cada investidor decidir se deve ou não contratá-lo

O seguro ETF IVVB11

ivvb-11-etf

Em tempo, uma alternativa válida para você se proteger contra perdas na carteira de ações é a ETF IVVB11.

IVVB11 é um fundo de índice, negociado na Bolsa de Valores, que busca retornos de investimentos que correspondam à performance, antes das taxas e despesas, do S&P500 (índice Standard & Poor’s 500).

Na prática, quem compra esta ETF (Exchange Traded Fund) adquire o índice com as 500 principais ações americanas em dólares.

Como mostramos no artigo “Mais retorno e menos risco na carteira: IVVB11”, a correlação entre o IVVB11 e o Ibovespa é negativa. Em geral, quando a bolsa brasileira sobe, o fundo cai e vice-versa. No dia 18 de maio, por sinal, essa regra funcionou perfeitamente: o índice Ibovespa desabou 8,8%, enquanto que a ETF IVVB11 disparou 8,6%.

Anúncios

10 comentários sobre “Seguro catástrofe pode proteger seus investimentos?

  1. Rodolfo Oshiro (@RodolfoOshiro) 29 de maio de 2017 / 13:33

    KB,

    Interessante informação .. conhecia o ivvb .. mas ja pensei em comprar isso como diversificação de compras e não como correlação negativa … vou dar uma olhada nisso ai .. vou ler o teu artigo ..

    Abs,

    Curtir

    • KB Investimentos 29 de maio de 2017 / 14:17

      Rodolfo,

      Não deixa de ser uma diversificação. Com correlação negativa, a diversificação é até mais eficiente.

      Abraço.

      Curtir

  2. Investidor Inglês 25 de maio de 2017 / 11:03

    Olá KB!

    Muito bom o texto. E concordo. Fiz um teste com PUT. No dia do circuit breaker ela valorizou sim, mas não o bastante para compensar…

    Curtir

    • KB Investimentos 25 de maio de 2017 / 15:52

      Obrigado Inglês!
      Essas valorização de 1.000% em um dia impressiona, mas você quando coloca na ponta do lápis não compensa.

      Abs.

      Curtir

  3. Marcelo Barbarossa 24 de maio de 2017 / 20:38

    Salve, KB! Não acho ser vantajoso ficar sempre comprado em PUT, o custo disso é muito alto e no longo prazo impacta a rentabilidade, a menos que o investidor desenvolva algum método de alta confiabilidade que consiga prever as quedas do mercado.

    Abraços!

    Curtir

    • KB Investimentos 25 de maio de 2017 / 15:55

      Pois é Marcelo,
      Se eu soubesse, ou ao menos tivesse muita confiança sobre, em quais meses o mercado vai despencar, eu sem dúvida compraria as PUTs.
      Mas não sei e nem acho que vou saber um dia. Então prefiro manter a estratégia de ficar fora.

      Abraço.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s